quarta-feira, 15 de maio de 2019

“Houve uma batalha no céu”! Entenda a história de São Miguel Arcanjo e os anjos caídos


SAINT MICHAELO que sabemos sobre o poderoso Arcanjo Miguel, a partir do relato do Apocalipse sobre a queda dos anjos rebeldes capitaneados por Lúcifer
São Miguel Arcanjo é, provavelmente, o mais famoso dos guerreiros de Deus contra o mal, especialmente o mal personificado no anjo rebelde Lúcifer, que optou por afastar-se eternamente do Criador. O que conhecemos sobre essa grande “batalha no céu” é condensado no seguinte excerto de um texto publicado pelo site do Pe. Paulo Ricardo a propósito da Quaresma de São Miguel.

São Miguel e o auxílio dos anjos
De uma forma geral, o nosso relacionamento com os anjos, essas criaturas de Deus, é bastante desleixado: agimos, muitas vezes, como se os anjos sequer existissem. E, no entanto, eles verdadeiramente existem: são uma criação extraordinária de Deus, situada, hierarquicamente, entre o homem e Deus. Eles são puramente espirituais, não têm corpo, mas também estão a serviço de Deus e são muito mais poderosos e gloriosos que os homens, estando alguns ordenados para o auxílio dos seres humanos.
Dispostos em hierarquia, os anjos que estão em contato com os homens são os das miríades inferiores, como, por exemplo, os arcanjos, que constituem o segundo coro angélico. É nesse nível que se encontra São Miguel Arcanjo, cuja celebração acontece no dia 29 de setembro.

São Miguel e os anjos caídos
A história desse arcanjo está ligada ao relato da queda dos anjos. Deus criou-os, antes mesmo da criação do mundo, inseridos, de algum modo, no tempo, e ofereceu-lhes uma ocasião para demonstrar o seu amor. É importante lembrar que, quando Deus criou os anjos, eles não estavam em Sua presença. Ele revelava-se a eles de alguma forma, mas não era um contato face a face, pois isso obstruiria a liberdade angélica: Deus é uma verdade tão atraente que, uma vez contemplada, elimina a capacidade das criaturas de escolher. Então, certa vez, para testar o seu amor, Deus deu-lhes uma provação. Sabe-se disso pela Tradição, mas também pelo ministério dos exorcistas, que expõe que certas ideias são insuportáveis ao demônio, a saber: a encarnação do Verbo divino, o seu aniquilamento na Cruz e, por fim, a posição de primazia de Nossa Senhora entre todas as criaturas. Foi por tais ideias que Lúcifer – um anjo cheio de glória e beleza –, juntamente com um terço dos anjos, decaiu. O relato da batalha travada no Céu por essa ocasião está resumida no livro do Apocalipse de São João:
“Houve uma batalha no céu. Miguel e seus anjos tiveram de combater o Dragão. O Dragão e seus anjos travaram combate, mas não prevaleceram. E já não houve lugar no céu para eles. Foi então precipitado o grande Dragão, a primitiva Serpente, chamado Demônio e Satanás, o sedutor do mundo inteiro. Foi precipitado na terra, e com eles os seus anjos” (Ap 12, 7-9).

O relato de um exorcista
O padre exorcista espanhol José Antonio Fortea, no livro “História do mundo dos anjos“, destrincha essa impressionante história, colocando a rica teologia angélica dentro de uma obra literária. Para explicar por que São Miguel, mesmo sendo de uma hierarquia inferior, é aclamado como “príncipe da milícia celeste”, ele coloca na boca de um anjo a seguinte narração:
“Dentre os anjos fiéis a Deus, no meio de todas essas lutas houve um que se destacou. Não se tratava de um anjo superior, mas o seu amor era superior. Foi ele quem manteve mais viva a chama da fidelidade nos piores momentos da batalha, quando tudo estava escuro e parecia que a metade dos anjos iriam se rebelar. Foi destacado no bem e a sua fé iluminou a muitos. Foi ele quem no momento mais escuro, na hora mais terrível no qual as multidões começaram a duvidar, no meio do inicial silêncio geral gritou:
– Quem como Deus!
Foi assim que ficou o seu nome: Mika-El, Miguel. O lutador infatigável e invencível. Miguel continuava a se destacar como guerreiro. A luz do seu veemente amor iluminou a muitos que estavam confusos. O seu amor arrebatador derrubou a muitos que lutavam em favor do erro. Inclusive, aqueles que combatiam com Lúcifer reconheciam que nenhum dardo envenenado com suas razões, poderia penetrar a couraça da sua fé inquebrantável. No meio da dúvida, ele foi imbatível.
Ele é representado com uma couraça, mas ele não portava nenhuma couraça material. Tratava-se de uma couraça espiritual impenetrável às seduções lançadas pelo iníquos. A única arma dele era a espada da verdade, da verdade sobre Deus.
Miguel conhecia melhor a Deus que os inteligentes, porque ele amava mais. Por essa razão, aqueles que foram ao seu encontro, tiveram que recuar” (José Antonio Fortea. História do mundo dos anjos. Trad. Laura de Andrade. São Paulo: Palavra & Prece, 2012. p. 61-62).

“Miguel conhecia melhor a Deus que os inteligentes, porque ele amava mais”. Mesmo sendo de hierarquia inferior, “o seu amor era superior”. Por isso, venceu as hostes inimigas que, embora tivessem como líder o regente dos coros angélicos, Lúcifer, por seu ódio, “tiveram que recuar”.
Mas, que as pessoas não se enganem, pensando que Deus pode perdoar o demônio. De fato, Ele ofereceu a reconciliação a Lúcifer, no tempo da provação, mas ele a rejeitou total e absolutamente. Ainda do livro de padre Fortea:
“Inesperadamente o onipotente Deus, Senhor de todas as coisas, falou. Dirigiu-se a Satanás. Todos sabiam que eram as últimas palavras que iria lhe dirigir.
‘Filho Meu, volta para Mim. Repito, esta é a última oportunidade. O Teu pecado não é maior que a Minha misericórdia. Fui grande ao criar o Céu, mas é maior Meu perdão. Se retornares e coras as tuas faltas, você será a joia do Céu. A luz da Minha compaixão perfeita resplandecerá em ti. Os milênios te contemplarão e Me glorificarão’.
Quão grande foi o Altíssimo ao lhe perdoar todo o seu mal. ‘Filho Meu, você será a joia da Minha misericórdia. Haverás de brilhar e ficarão atônitos os humanos que virão. Eles te olhando compreenderão que não há pecado que eu não possa perdoar. Você melhor do que ninguém poderá transmitir essa confiança ao caído. Você será um grande pregador, um grande intercessor que ao longo dos séculos me repetirá: se me perdoaste a mim, perdoa ele’.
(…)
O diabo ergueu a cabeça e com toda a frialdade respondeu:
– Jamais! Nunca me ajoelharei!
(…)
No mesmo momento que o Dragão ameaçou em se lançar de novo em direção ao mundo angélico, Miguel o arcanjo, desembainhou a espada e mostrou-a para ele. Satã deu um sorriso e com um gesto de desprezo deu um impulso para se jogar em direção das nuvens de anjos. Miguel, sem duvidar e com um gesto instantâneo, cravou-lhe a espada no coração. A Verdade enterrada no próprio coração do diabo teve um efeito fulminante. O imenso Dragão ficou como com seus pés colados ao chão, como se não pudesse levantá-los nenhum milímetro. Parecia que houvesse batido com um muro, essa espada era como uma muralha de granito” (José Antonio Fortea. História do mundo dos anjos. Trad. Laura de Andrade. São Paulo: Palavra & Prece, 2012. p. 89-90).

A vida do homem na terra é uma luta. O combate que se travou no Céu continua no mundo dos homens. Invoquemos a intercessão de São Miguel Arcanjo, para que, assim como ele, sejamos destemidos e experimentemos, em nossas vidas, o primado de Deus.


segunda-feira, 29 de abril de 2019

Médicos reconhecem que Deus curou paciente com lesão cerebral: “A ciência não explica”

O estudante Cole Burton teve uma recuperação que seus médicos só explicam pela intervenção de Deus. (Foto: WAGA)
Médicos que acompanharam a recuperação milagrosa de um estudante do Alabama, nos Estados Unidos, não tem outra explicação para a cura de sua lesão cerebral além de Deus.
“Meus médicos me disseram que a ciência não pode explicar minha recuperação”, disse Cole Burton à Fox 5 em Atlanta. “Eles me disseram que Deus tem algo a ver com isso”.
Em maio do ano passado, o estudante de geologia da Universidade de Auburn, de 21 anos, estava com seus colegas de classe examinando rochas ao longo de uma estrada. Até que uma picape dirigida por um motorista alcoolizado perdeu o controle e colidiu contra Burton e seu parceiro de laboratório, Nick Hood, que morreu tragicamente pouco depois.
Uma semana depois, sem respostas aos procedimentos médicos, os pais de Cole foram confrontados com a opção de desistir do tratamento. Eles se recusaram depois de orar sobre a decisão e se agarrar ao versículo de Efésios 3:20, que diz que Deus “é capaz de fazer infinitamente mais”.
“A Deus seja a glória”, declarou Charlie Burton, pai de Cole. “Contra circunstâncias avassaladoras, esse versículo nos deu coragem de pedir a Deus por um milagre. Ficamos humildes pelo fato de algumas pessoas não experimentarem a cura. Há coisas que nunca entenderemos, mas no momento essa foi a nossa fé, que Deus é capaz”.
Em vez de ficar em estado vegetativo pelo resto de sua vida, os pais de Cole o viram melhorar a cada dia.
“A maioria dos pais só tem o privilégio de ver o filho andar pela primeira vez uma vez. Agora, já vimos isso pela segunda vez”, disse Charlie ao Shepherd Center, onde Cole está recebendo oito horas de fisioterapia intensa toda semana.
O Dr. Chelsea Day, um de seus neuropsicólogos na Shepherd, disse que Cole conseguiu se superar graças ao apoio da família. “Ele não está sozinho nisso”, afirmou. Cole concordou: “Todos nós vencemos as probabilidades”.
Burton está tendo aulas online e espera voltar ao campus da Auburn em setembro. Ele completou duas maratonas de 5 km e pretende correr 10 km em julho.
“Cole está fantástico”, disse seu pai. “Minha esposa e eu vemos os pequenos milagres que acontecem todos os dias. Isso te rouba completamente a capacidade de reclamar sobre a maioria das coisas com as quais nos preocupamos hoje”.

segunda-feira, 1 de abril de 2019

Porque as Lojas Renner insiste em lançar peças com temas anti-católicos?

A gaúcha Lojas Renner, umas das líderes no país no ramo de roupas e acessórios para os públicos masculino, feminino e infantil, conseguiu dar duas bolas fora com católicos e cristãos num só mês.

* Uma coleção de camisetas que traz a estampa de Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da América Latina, tinha na sua face, ao invés do rosto da Virgem Maria, uma caveira. No México há o folclore de se comemorar o 'dia dos mortos', cujas caveiras são o símbolo mor. A Igreja católica não reconhece esta veneração.
A empresa conseguiu desagradar os dois lados, tanto os católicos devotos de Nossa Senhora de Guadalupe, como o povo que venera a 'festa do dia dos mortos'. Ambos os grupos entupiram as redes sociais da empresa de mensagens demonstrando descontentamento.
A empresa se viu obrigada a retirar as camisetas de todas as lojas.

* Outra ação que fere a constituição, no parágrafo que assegura o direito ao respeito pelas religiões, a Renner lançou uma coleção de roupas com estampas alusivas a dois símbolos cristãos: o Sagrado Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Maria.
Até aí tudo bem, mesmo que os temas estejam fora de contexto.
O grande problema é que dentro da imagem do Sagrado Coração, está a inscrição: KING OF NEWHERE (Rei de Lugar Nenhum).
Para católicos e demais cristãos, a estampa e a frase foram tomadas como um ataque àquele que simboliza ser o 'dono' do coração estampado, deixando explícito assim que a estampa é um embate à Cristo e contra o seu reinado, além de ser de muito mau gosto.
Claro que quem defende tal estampa, vai dizer que foi uma estampa do título do disco da banda Diary of Dreamns, mas porque a assessoria da empresa, antes de dar start no modelo, não leva em conta os prós e contras que tão ação pode dar?

Porque as lojas Renner partiram para um ataque tão maciço sobre os símbolos religiosos cristãos? Qual o real motivo que fez uma empresa tão conceituada querer lucrar em cima daquilo que a Constituição chama de símbolos sagrados?
Ao contrário da afronta que a Renner faz aos símbolos cristãos, não se vê ela brincando com símbolos do islamismo. Seria porque o islã é radical e a empresa tem medo de retaliações mais fortes?
Em tempos onde se prega a tolerância, as Lojas Renner vão na contramão dos anseios da sociedade.
Em resposta, as redes sociais registraram boicotes e mais boicotes dos públicos católico e evangélico para com a empresa.

terça-feira, 12 de março de 2019

Partido Comunista oferece recompensas para quem delatar cristãos na China

Chineses participam de culto em igreja doméstica. (Foto: Portas Abertas - EUA)
As autoridades chinesas estão agora tomando medidas nas áreas rurais da China para intensificar a repressão em curso em reuniões cristãs, muitas vezes conhecidas como igrejas domiciliares. O Partido Comunista Chinês (PCC) está recorrendo a recompensas monetárias para qualquer um que espiar um vizinho, um membro da família ou delatar um grupo de crentes às autoridades.
Nos documentos obtidos pela revista Bitter Winter, as recompensas em dinheiro são explicitadas com base no relatório específico e seu impacto. Por exemplo, um documento emitido por um subdistrito na cidade de Nanyang, na província de Henan, na China, afirma que qualquer um que descubra e informe um grupo de crentes receberá uma recompensa de 200 a 1.000 RMB (cerca de US $ 30 a US $ 150).
Denunciar alguém por fazer ou espalhar imagens sacras ganha uma recompensa de US $ 75 a US $ 300. E se o relatório tiver um impacto significativo, a recompensa será de US $ 750 a US $ 1.500. Transformar-se em um crente d’A Igreja do Deus Todo Poderoso (o maior movimento religioso chinês, filiado ao Partido Comunista) traz de US $ 15 a US $ 300.
Para facilitar as denúncias contra os cristãos, a China criou caixas de relatórios em aldeias, linhas telefônicas e sites exclusivamente para esta finalidade. Um oficial de um vilarejo revelou que, quando algum morador denuncia uma reunião, a localização do delator será registrada imediatamente e o endereço do local da reunião pode ser rapidamente determinado.
O número para a linha direta de recompensa é impresso em caixas de relatórios de ferro que dizem “Caixa para reportar locais privados (reuniões) e atividades missionárias”.
Recentemente, foi instalada uma caixa de denúncias na entrada do comitê da vila de Chenzhuang, no distrito de Mangzhongqiao (várias aldeias constituem um município) na província chinesa de Henan (onde o movimento da igreja clandestina do país começou).
"Proibidos de acreditar em Deus"
Um aldeão local observou que o governo municipal emitiu uma caixa de relatórios para cada aldeia. "As autoridades estão empreendendo uma repressão contra a crença religiosa", disse o aldeão, e "as pessoas da aldeia estão proibidas de acreditar em Deus".
Algumas regiões também desenvolveram plataformas para delatar on-line seus vizinhos ou escreverem cartas.
O impacto dessas novas práticas já foi sentido. A revista Bitter relatou que um crente local disse que ao estabelecer caixas de denúncia, as autoridades restringiram eventos religiosos, encontros e evangelismo, e "colocaram os crentes sob ameaça de serem presos a qualquer momento".
Recentemente, uma reunião secreta da “Igreja dos Três Seres”, na vila de Dapan, em Henan, foi descoberta e fechada, surpreendendo os crentes que se encontravam em um porão de um prédio residencial. Os móveis do local foram vasculhados.
Delatar “traidores” tornou-se uma prática predominante durante a Revolução Cultural da China sob a ditadura de Mao Tsé Tung. O Partido Comunisda da China montou caixas de relatórios e recompensou pessoas que delataram outras.
Com a implementação dessas ferramentas hoje, a China voltou a mobilizar as massas para lutar umas contra as outras - uma prática usada durante uma era em que a perseguição direta forçou os crentes a irem para a clandestinidade para se encontrarem e adorarem juntos.
Um membro aposentado do Partido Comunista da China discorda dos incentivos, dizendo que teme que facilitem o ódio das pessoas umas contra as outras.
Os medos do ex-funcionário se alinham com o que os moradores locais estão compartilhando sobre a situação atual: "Todos estão participando da monitoração e denunciando outros", disse o aldeão, aumentando o risco de prisão para mais crentes.
“É impossível nos defendermos de forma eficaz. Receio que seja difícil continuar realizando reuniões”.
Recentemente, um dos parceiros de ministério indígenas da Portas Abertas que trabalha para equipar os líderes da igreja na China ofereceu essa percepção: “Não seja rápido demais para tirar conclusões sobre o que a China precisa. Ore por sabedoria para os líderes. Ore conosco”.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

A Igreja que salvou milhares de judeus do Holocausto


Resultado de imagem para holocaustoUma porta aberta, um refúgio seguro para fugir à morte. Foi o que representou quase 150 conventos, igrejas e casas pertencentes a ordens religiosas que no auge da perseguição nazista ofereceram reparo a cerca de 4.500 judeus de Roma, quase a metade da comunidade judaica da capital, na época formada por 10 a 12 mil pessoas.
O rastreamento de 16 de outubro de 1943 durou exatamente oito horas e meia, das 5h30 até as 14h. Era um sábado, dia de festa e repouso para a religião judaica, dia escolhido não a caso pelo projeto diabólico dos nazistas, cuja intenção era eliminar um povo inteiro. Ao concluir a operação, nas ruas desertas do gueto judeu de Roma, ainda ressoavam os gritos de desespero dos 1.259 judeus romanos, dos quais 689 mulheres, 363 homens e 207 meninos e meninas, arrancados de suas casas à força pelas tropas da Gestapo. Dos presos, 1.023 foram logo deportados para os campos de concentração de Auschwitz, e apenas 16 voltaram às suas casas. Outros conseguiram fugir em busca de ajuda algumas horas antes da incursão daquela noite.
Impossível quantificar com exatidão o número total de judeus escondidos ou salvados pela Igreja Católica. Os motivos são muitos: em primeiro lugar a falta quase total de documentação escrita que por prudência e para evitar rastreabilidade comprometedora foi evitada. Também não se pode omitir o vergonhoso fenômeno das delações. Por isso, a pesquisa histórica destes acontecimentos são baseadas principalmente nos testemunhos orais. Descobre-se situações muito diversificadas: judeus escondidos em casas religiosas por livre iniciativa das mesmas, ou hospedados em mosteiros de clausura sob indicação e concessão da Santa Sé, lugares cristãos como as Catacumbas de Priscila, que se tornaram pontos de referência para a rede de documentos falsos, às casas religiosas que eram abastecidas pelo Vaticano e que depois distribuíam alimentos aos refugiados que abrigavam. E também as estruturas que abriam suas portas gratuitamente e as que pediam pagamento de uma mensalidade.Resultado de imagem para holocausto
A hospitalidade acontecia de várias maneiras: da acolhida de famílias inteiras, à de somente homens ou mulheres e crianças. Em muitos casos, por motivos de segurança, os refugiados deviam aprender orações cristãs, e até mesmo usar batinas por causa da blitz dos nazifascistas. A maior parte dos testemunhos confirma um total respeito por parte das irmãs e sacerdotes pela crença judaica. Sem dúvida, os meses de convivência foram uma ocasião de conhecimento inter-religioso que ajudou a dissipar muitos preconceitos recíprocos.
O refúgio em Igrejas e conventos emerge frequentemente nas histórias dos sobreviventes. A acolhida dos judeus foi realizada em num amplo contexto: desde procurados por motivos políticos, aos deslocados e aos órfãos. Durante uma emergência que durou meses, as comunidades religiosas levaram adiante suas atividades normais compartilhando com os hóspedes o que havia de disponível em casa devido às dificuldades econômicas impostas pela guerra. Nos hospitais, os refugiados se camuflavam de pacientes, nas escolas de estudantes, nos institutos de caridade de inválidos.Imagem relacionada
As famílias judias chegavam às casas religiosas muitas vezes por conhecimento direto ou por meio de listas de conventos assinalados clandestinamente pelos bispos aos comitês judaicos de assistência. Alguns tinham recomendações influentes, outros batiam às portas das igrejas e mosteiros na desesperada tentativa de encontrar reparo. O então secretário particular de Pio XII, Robert Leiber confirmaria em 1961 que o Papa comunicara que as casas religiosas “podiam e deviam” dar refúgio aos judeus. Também deve ser recordado que entre setembro e outubro de 1943 a Secretaria de Estado e o Vicariato de Roma mandaram distribuir aos vários institutos religiosos placas com a escrita de que eram territórios do Vaticano, (extra-territoriais em relação à Itália) com o objetivo de evitar perseguições e irrupções.
Dos 486 italianos proclamados “Justos ente as Nações” pelo Yad Vashem, o memorial israelense do Holocausto que desde 1962 examina os dossiês dos não judeus que salvaram judeus durante o Holocausto, cerca de um oitavo pertence ao clero católico: 30 sacedotes dicoesanos, 12 religioso, 15 religiosas e 4 bispos.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Um náufrago foi encontrado após 9 anos por uma criança que brincava com o Google Earth


Se você já viu o filme Náufrago, provavelmente vai lembrar que o protagonista, um papel desempenhado pelo renomado ator Tom Hank, passou muitos anos em uma ilha deserta, sem nenhum contato humano e tendo que se virar sozinho para sobreviver. 
A história desse cara é bem parecida, o inglês Adam Jones planejou uma viagem de aventura em alto mar com dois amigos e nunca imaginou que teria que passar 9 anos em uma ilha deserta, sem ninguém por perto, e lutando para sobreviver todos os dias.
Mas com a ajuda da tecnologia e de pessoas curiosas, a vida desse homem iria seguir um curso que nunca havia sido esperado, tornando-se uma das experiências mais traumáticas e inimagináveis que qualquer ser humano teve que viver ou pensar.
Adam Jones partiu em uma viagem em 2006, junto com dois de seus melhores amigos, navegando de Liverpool, sua casa, para o Havaí, atravessando o Oceano Atlântico e o Canal do Panamá.
Perto do Oceano Pacífico, uma tempestade monstruosa bateu violentamente em seu barco, seus amigos foram ao mar, enquanto Adam ficou inconsciente por vários dias no barco, flutuando no oceano.

Seus amigos foram encontrados sem vida no mar e acreditou-se que o destino de Adam tinha sido o mesmo.

Após 17 dias em alto mar ele chegou à terra firme, uma ilha.
No começo ele conseguiu construir um abrigo com os destroços do navio que desmoronou em pouco tempo e então ele fez outro mais sólido. Usando uma concha, ele derrubou uma árvore em um período de 11 semanas e, de alguma forma, aprendeu a fazer fogo.
Felizmente, ele sempre foi uma pessoa ativa e atlética, o que o ajudou de alguma forma a se adaptar melhor à sua nova vida. Obviamente, Adam teve que caçar animais na ilha para sua sobrevivência, e ele também encontrou uma cabra presa nos arbustos e depois de matá-la, ganhou 50 quilos de carne.
A sensação de estar sozinho e a depressão que sentia toda vez que pensava que ninguém estava indo para ajudá-lo, quase o fez morrer internamente, ele até pensou em acabar com sua vida, mas decidiu lutar e derrotar os demônios em sua mente.

Ele fez um sinal de SOS de cerca de 3 metros de altura e esperou.

Até que um dia ele ouviu o som de um avião voando sobre ele, correu para uma área vazia e balançou os braços, felizmente eles o viram e jogaram um pacote com um rádio, água fresca, comida e alguns itens de primeiros socorros.
Com isso, ele se comunicou com o co-piloto e se sentiu o homem mais feliz do mundo ao ouvir uma voz humana após 9 anos. Ele perguntou como eles chegaram até lá, disseram-lhe que uma criança que morava em Minnesota havia encontrado seu sinal de SOS no Google Earth e disse às autoridades que alguém precisava de ajuda.
Quando chegaram, ele simplesmente começou a chorar e os socorristas ficaram impressionados com a imagem do homem. Ele era muito magro, com cabelos longos e pele bronzeada como se tivesse estrelando o filme 'Náufrago'. Felizmente para ele e sua família, depois de quase uma década, tiveram um final feliz e agora ele só quer recuperar os anos que perdeu.
Fonte: http://boamente.co/post/um-naufrago-foi-encontrado-apos-9-anos-por-uma-crianca-que-brincava-com-o-google-earth/635/3

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Corpo de jovem italiano em processo de canonização é achado incorrupto


ACUTIS
O padre Marcelo Tenorio, vice-postulador da causa de canonização do venerável Carlo Acutis, comunicou hoje, 23 de janeiro, que o corpo do jovem italiano apaixonado pela Eucaristia e falecido em decorrência da leucemia aos 15 anos de idade, em 12 de outubro de 2006, foi encontrado incorruptoEis a mensagem:

“Caríssimos, recebi hoje da mãe de Carlo Acutis a feliz notícia de que o corpo do venerável jovem, que morreu dando a vida pelo Papa Bento XVI, está INTACTO.
Para nós que o amamos e divulgamos sua vida é um momento de imensa emoção e alegria.
Vi as fotos, mas não posso divulgar.
Seu corpo será levado para o convento dos capuchinhos, em Assis, e de lá, em tempo oportuno, transladado para antiga Igreja de Santa Maria Maior, na mesma Assis.
Te Deum laudamus. Te Dominum confitemur!
Pe. Marcelo Tenorio
Vice postulador.”

Carlo Acutis morreu com apenas 15 anos devido a uma leucemia fulminante, e deixou na memória de todos aqueles que o conheceram um grande vazio e uma profunda admiração por seu breve, mas intenso, testemunho de vida verdadeiramente cristã. Desde que recebeu sua Primeira Comunhão, aos 7 anos, nunca mais faltou ao seu compromisso diário com a Santa Missa. Sempre buscava, antes ou depois da celebração eucarística, ficar em frente ao tabernáculo para adorar o Senhor, realmente presente no Santíssimo Sacramento. Nossa Senhora era sua grande confidente e ele nunca deixou de homenageá-la, recitando diariamente o Santo Rosário. A modernidade e a atualidade de Carlo são perfeitamente compatíveis com sua profunda vida eucarística e sua devoção mariana, que contribuíram para fazer com que ele fosse aquele rapaz especial que todos admiravam e amavam.

Para citar as próprias palavras de Carlo: "Nossa meta deve ser o infinito, não o finito. O infinito é nossa Pátria. Sempre nos esperam no Céu". É sua a frase: " Todos nascem como originais, mas morrem como fotocópias." Para seguir na direção desta Meta e não "morrer como fotocópia" Carlo dizia que nossa Bússola deve ser a Palavra de Deus, com a qual devemos lidar constantemente. Mas para uma Meta como esta são precisos Meios muito especiais: os Sacramentos e a oração. Carlo colocava especialmente o Sacramento da Eucaristia como parte central de sua vida, o qual chamava de "minha autoestrada para o céu."

Carlo era muito dotado para tudo aquilo que estava ligado a tecnologia, tanto que seus amigos e os adultos formados em engenharia da computação o consideravam um gênio. Todos ficavam maravilhados com sua capacidade de entender os segredos que a tecnologia esconde e que normalmente estão acessíveis apelas àqueles que concluíram a faculdade. Os interesses de Carlo variavam entre a programação de computadores, a montagem de filmes, a criação de websites, as revistas em quadrinhos das quais fazia também a redação e o Layout, até chegar ao voluntariado com os mais necessitados, com crianças e idosos.

Resumindo, este jovem fiel da Diocese de Milão era um mistério que, antes de morrer, foi capaz de oferecer seus sofrimentos ao Papa e à Igreja.

Fonte: https://pt.aleteia.org/2019/01/23/corpo-de-jovem-italiano-em-processo-de-canonizacao-e-achado-incorrupto/?fbclid=IwAR2s5x9Y_9mYRptHXPmsdiCb-0Qx5dptAn1buc1DGLNPG5Ju6g_K2hvMCTs

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Ator de Hollywood recusou fazer cenas de sexo em respeito à esposa e foi demitido

Neal McDonough
"Não conseguia emprego: me achavam fanático. Mas coloquei Deus e a família em primeiro lugar e a mim em segundo. É assim que eu vivo".
Neal McDonough, ator que participou de conhecidas produções do cinema e da televisão como “Capitão América”, “Minority Report” e “Desperate Housewives”, é casado há 15 anos com a modelo Ruvé Robertson, com quem tem 5 filhos.
Em entrevista recente, ele relatou ao site Closer Weekly que foi demitido em 2010 porque, em respeito à esposa e por convicções religiosas, se negou a fazer cenas de sexo com a atriz Virginia Madsen durante as gravações da série “Scoundrels“, produzida pelo canal ABC.
“Não vou beijar outra mulher, porque esses lábios já são comprometidos”.
McDonough foi substituído três dias após o início das filmagens e, conforme estimativas do site Deadline.com, perdeu cerca de 1 milhão de dólares por causa da decisão. A demissão o surpreendeu:
“Eu não conseguia mais emprego porque todo o mundo achava que eu era um fanático religioso”.
Mas as perdas momentâneas não o afetaram e, no fim das contas, foram amplamente superadas:
“Eu coloquei Deus e a família em primeiro lugar e a mim mesmo em segundo. É assim que eu vivo. É por isso que vou à igreja todos os dias e agradeço a Deus por tudo o que Ele me deu. E agradeço principalmente por ter me dado a Ruvé, porque, sem ela, com certeza eu não estaria contando essa história. Depois de quase 20 anos, 5 filhos e uma vida maravilhosa, nós somos parceiros para tudo e eu sou o cara mais abençoado do mundo”.
É interessante observar que esse tipo de testemunho não costuma aparecer com destaque nos grandes portais de notícias, muito embora sejam diárias, na página inicial da maioria deles, as “notícias” sobre o mundo das celebridades.



sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Imprensa sensacionalista usa mentiras ao falar do Papa Francisco

O Papa NÃO disse que “é melhor ser ateu do que ir à missa e falar mal dos outros”.
CYRKOWCY U PAPIEÅ»AMas grande parte da imprensa optou por "noticiar" a sua própria e enviesada versão das palavras do Papa e, principalmente, do seu contexto
Na primeira audiência geral de 2019, nesta quarta-feira, 2 de janeiro, o Papa Francisco disse:
“Quantas vezes vemos o escândalo criado por aquelas pessoas que vão à igreja e ficam lá todo o dia, ou vão lá todos os dias, e depois vivem com ódio dos outros ou falando mal das pessoas. Isto é um escândalo! É melhor não ir à igreja: vive assim, como ateu. Mas, se você vai à igreja, vive como filho, como irmão, e dá um verdadeiro testemunho, não um contratestemunho”.
Veículos de comunicação, no entanto, deram a entender que, “segundo o Papa Francisco, é melhor ser ateu do que ser católico e falar mal dos outros”.
Francisco não fez comparação nenhuma entre ateus e católicos como tais, mas, em todo caso, entre dois comportamentos que negam a Deus na prática (e, portanto, são em si mesmos distantes da postura a que ele convida os católicos sinceros e que é a verdadeira exortação apresentada em seu discurso: viver como filhos de Deus e como irmãos entre si).
assunto abordado pelo Papa nesse momento da sua catequese são as pessoas que se acham católicas porque vão à igreja com grande assiduidade, mas que, habitualmente, cometem os pecados venenosos da língua. Essas pessoas geram escândalo e transmitem o contrário do verdadeiro testemunho católico. Neste caso, e especificamente neste caso, o Papa observa, pelo contexto da sua catequese e pelo conjunto das suas afirmações, que seria melhor se tais pessoas mudassem de postura e vencessem a incoerência, mas, se não estiverem dispostas a isto, então seria menos escandaloso que elas parassem de fingir que são católicas e se assumissem como indivíduos que, na prática, negam a Deus, dado que já vivem em aberta incoerência com o mínimo que Deus nos pede.
Trata-se de uma evidente crítica a um comportamento pontual de católicos incoerentes e não de uma comparação “qualitativa” entre católicos e ateus – até porque há linguarudos e mexeriqueiros também entre estes, como os há em todo e qualquer grupo humano genérico.
Se alguém quiser insistir em interpretar as palavras do Papa como uma “comparação prática” entre crenças, deverá em todo caso reconhecer que ela se restringe exclusivamente ao conjunto das pessoas que negam a Deus, comparando, então sim, aqueles que o fazem assumidamente por convicção ideológica e aqueles que o fazem mediante a contradição entre a sua suposta condição cristã e as suas reais atitudes anticristãs: afinal, o que o Papa condena é justamente a postura de quem não vive em coerência com a própria condição de filho de Deus e irmão de todos os homens. Não há nessa fala uma comparação técnica entre religiões ou crenças pessoais como tais, mas uma crítica direta a comportamentos de pessoas que, na prática, afastam Deus da sua vida mediante posturas incompatíveis com Ele. Quanto ao ateísmo entendido como crença pessoal, ele sequer fez parte do contexto. Aliás, respeita-se a opção de quem escolhe, num gesto de fé, acreditar na inexistência de Deus – mas as palavras de Francisco não tocaram nesse tema especificamente nem colocaram esta opção como parte do convite aos católicos sob nenhum ponto de vista intelectualmente honesto em momento algum da catequese.
Há pessoas que, diante de um convite ao exame de consciência, o acolhem, o aplicam a si mesmas e procuram melhorar os seus comportamentos. E há pessoas que preferem apontar o dedo para qualquer ponto, menos para a própria consciência, e, de quebra, descontextualizando até o assunto a ser examinado. Questão de livre arbítrio – e, mais profundamente, de maturidade.
Fonte: 
https://pt.aleteia.org/2019/01/04/o-papa-nao-disse-que-e-melhor-ser-ateu-do-que-ir-a-missa-e-falar-mal-dos-outros/?fbclid=IwAR2y3-dZ8UEFmcs-Dcp9rOBHcNi9c4xGZCexOgDrl6GVfoE-7GAtv4ycoPU

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Show da virada em praia catarinense tem menores expostos a palavrões e xingamentos


Respeito é um substantivo masculino oriundo do latim respectus’ que é um sentimento positivo e significa ação ou efeito de respeitarapreçoconsideraçãodeferência.
Quem esteve no SHOW DA VIRADA em Piçarras no último 31 de dezembro, viu um MAR DE GENTE com aproximada mente VINTE MIL pessoas, que na sua grande maioria era composto de FAMÍLIAS (pais, mães e crianças).
A noite estava toda ela programada para ser uma festa e levar alegria e felicidade a todos os veranistas que, muitos vindos de outras praias, escolheram passar a virada do ano naquele belo balneário.
O show da virada era um evento promovido pela Secretaria de Turismo do Balneário Piçarras e foi escolhido um grupo musical para animar com músicas o povo.
Tudo seria ótimo se o grupo de música não tivesse feito uma equivocada escolha quanto ao que cantar para aquele seleto público.
O grupo musical realmente é bom, tem bons cantores e nos instrumentos não deixam em nada a desejar para os grupos famosos do país, só pecaram na grade musical. Sabendo que era um evento que reunia famílias, deveria cuidar nas músicas escolhidas.
Em determinado momento do show, o grupo cantou ‘QUERO QUE TU VÁ, cuja letra incomodou grande parte de quem estava com filhos, netos e pais de mais idade. A letra grosseira diz:

“... Eu quero que tu vá, Vá tomar no cú
Para de tomar conta da minha vida
E vai pra puta que pariu
Aonde já se viu? Hoje eu 'tô tipo tolerância zero’...”

Uma canção recheada de palavrões fortes e grosseiros que fez parte do público dar meia volta e se retirar do local.
Nada contra o grupo musical, o erro foi da Prefeitura de Piçarras que não fez um pente fino sobre o que seria cantado. Claro que vai sentir na pele o resultado desta omissão, várias famílias não voltarão no próximo ano para passar a virada ali, deixando de contribuir com as finanças do município e do comércio local.
Lamentável o fato de que, após o fim da canção, um dos vocalistas usa a arte da vitimização e ironiza ao microfone o fato da música ter uma letra ofensiva.
A virada de ano naquele balneário, sempre foi um evento familiar, até porque Piçarras tem essa vocação de reunir as famílias. Quando a Prefeitura ignora esse fato, ela toma atitudes de expulsar o veranista de suas terras.
Esperemos que o fato tenha repercussão avaliativa por parte do Poder Público daquele município.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Equipe de Jornal da Rede Globo prega intolerância religiosa

Após a futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves ter dito que teve uma visão de Jesus Cristo em uma goiabeira quando estava prestes a tirar a própria vida, tem sido maldosamente atacado por parte da imprensa que não tem compromisso com o respeito às escolhas alheias.
Quando você pensa que é de cima que vem o exemplo, é aí que você se frustra.
A maior emissora de televisão do país, a Rede Globo, que promove uma gigantesca campanha pelo respeito às escolhas de cada pessoa, independente e sexo, cor da pela ou religião, foi ela que deu um péssimo exemplo de intolerância religiosa.
A conta oficial do twitter do programa Globo Rural satirizou a fala da futura ministra. Até aí, tudo bem, mas a sátira foi sobre o testemunho religioso que a mesma deu.





segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Luz misteriosa apareceu no ventre da Virgem de Guadalupe durante uma missa para crianças abortadas


Fiéis do mundo todos estão surpreendidos com a luz misteriosa que apareceu no ventre de Nossa Senhora de Guadalupe durante uma missa para crianças mártires abortadas, na Basílica dedicada a santa no México. 
Centenas de fiéis que estavam presentes na Santa Missa perceberam a luz, e logo, começaram a fotografar, enquanto a imagem de Nossa Senhora começou a apagar-se, enquanto uma luz intensa emanava do seu ventre, constituindo um halo brilhante tendo a forma de um embrião.
Segundo os devotos, essa luz provinha do ventre da imagem da Santíssima Virgem Maria e não era um reflexo, nem um artefato.
O engenheiro Luis Girault, foi convidado para examinar a imagem, e confirmou a autenticidade do negativo e especificou que não foi e nem houve modificação ou alteração no quadro oficial.
Ele revelou que a luz não provinha de nenhum reflexo, mas saia literalmente do interior da imagem da Virgem.
A luz era muito branca, pura e intensa, muito diferente dos clarões fotográficos habituais, produzidos pelos flashes.
Esta luz era envolvida por um halo com a forma de um embrião.
Examinando ainda mais precisamente esta imagem, distingue-se no interior do halo certas zonas de sombra que são características de um embrião humano no seio materno.
Fonte: https://www.frontcatolico.com.br/2018/08/luz-misteriosa-apareceu-no-ventre-da.html?m=1&fbclid=IwAR3aQKaX8QVoS6vuYHils3GuXNp_2HUDIIlDhbgpT2gXU6c2lxoJ1u1Xe1k